domingo, 29 de março de 2009

Singles's things

Filme de mulherzinha total: Ele não está tão a fim de você. Programinha de domingo, acompanhada de um saco de pipoca metade doce, metade salgada para assistir uma comédia romântica metade bobinha, metade real.




"I had this guy leave me a voicemail at work, so I called him at home, and then he emailed me to my BlackBerry, and so I texted to his cell, and now you just have to go around checking all these different portals just to get rejected by seven different technologies. It's exhausting."

quinta-feira, 26 de março de 2009

Se eu fosse você

Ontem, na minha troca diária de e-mails com uma amiga, em um determinado momento nos demos conta de quantas vezes dissemos (não só ontem, mas sempre):

"Se eu fosse tu, eu não iria."
"Se fosse comigo, eu não ligaria."
"No teu lugar, eu escreveria."


Conselhos, dicas, ideias que na verdade sempre tem seu lado bom mas que refletem o modo de ser, de pensar, de sentir da outra pessoa, não o nosso. É válido? Sempre é bom ver as coisas por outro ponto de vista, mas somente nós podemos saber de todo um contexto para decidir como agir em cada situação. Somente nós podemos saber o quanto estamos dispostos a dar a cara para bater. Somente nós podemos saber o quanto podemos suportar as consequências de cada atitude nossa. As coisas são quando devem ser, do jeito e no tempo que tiverem de ser e sinceramente, na maior parte das vezes, independente das nossas atitudes. Podemos estar fazendo tudo (teoricamente) certo e tudo sair errado. Podemos estar fazendo tudo (teoricamente) errado e tudo acabar dando certo. Eu realmente acredito nisso.
Os meus defeitos provavelmente apareçam muito mais rápido do que as minhas qualidades. A minha rapidez e espontaneidade muitas vezes confundida com ansiedade, provavelmente muito mais assuste do que agrade. Mas eu me recuso a criar um personagem pra fazer alguma coisa funcionar, mesmo que por um tempo. Um dia a máscara cai e vemos que a fantasia que criamos era uma palhaçada. E mascarada ou palhaça são duas coisas que eu nunca pretendo ser.

"Então é assim que a vida faz
e sempre haverá um fim
um plano rápido ou um plano
longínquo do horizonte
e os créditos
os personagens se revelam
atores no aplauso final
e há pra cada interpretação
o que lhe for proporcional
fica muito bem em cinema
romance do romance ideal
só vamos então deixar combinado
aqui é a vida real
não leve o personagem pra cama
pode acabar sendo fatal
então desmonta logo esta máscara
voltemos à estaca zero
fica tudo igual
normal."
(Lulu Santos - Tudo igual)

segunda-feira, 23 de março de 2009

Laranjeiras

Sabe aquela música do Nando Reis que entrou sem querer no meio da minha corrida? Eu não sei o que ela faz comigo. Não tenho nehum dono de All Star azul no meu currículo, muito menos alguma linda história de amor nas Laranjeiras no Rio. Mas sei lá. Acho que a simplicidade deste "estar se apaixonando" me encanta. E me arrepia a espinha. E me dá um frio na barriga. E me dá vontade de um "estar se apaixonando" desses pra mim, com ou sem um All Star azul. Ontem, no Anfiteatro Pôr do sol não foi diferente. Mesmo lá longe do palco, no meio de amigos, bêbados e crianças dormindo. Eu senti tudo isso de novo.


"... estranho mas já me sinto como um velho amigo seu..."

domingo, 22 de março de 2009

Banquete de amor


Filme bonito, triste, emocionante, simples, surpreendente.
Como o amor.
Como a vida.


"Sometimes you don't know you've crossed a line until you're already on the other side."


"God is either dead, or he despises us."
"If he did, he wouldn't have made our hearts so brave."





terça-feira, 17 de março de 2009

O porco que era uma vaca

Nenhum presente de aniversário neste mundo, poderia ser melhor do que ter os amigos que eu tenho. Hoje, esse porco se transformou em lindas notas, bem novinhas, de vários tamanhos com a palavrinha EURO estampada. E serão gastas uma a uma, com esses amigos no meu coração!

segunda-feira, 16 de março de 2009

Acontece

Nunca aconteceu contigo de estar andando tipo assim, bem linda, bem de nariz empinado, toda sorridente, rebolante e cantante e de repente do nada surgir uma pedra no meio do caminho que pega e ploft, faz tu te espatifar no chão? Não é nada fácil encarar quem está ao redor, levantar, limpar a bunda e seguir em frente, né? Mas é só o que pode ser feito. Se doer, chora. E assim como começou a doer, vai parar. E tu vai continuar andando. Bem linda, bem de nariz empinado, toda sorridente, rebolante e cantante. E se tiver uma mãozinha pra ajudar a levantar depois do tombo, bah, melhor ainda.

domingo, 15 de março de 2009

Minha corrida tem trilha sonora














Não corro sem música. Sou capaz de não sair do lugar. Ontem, quase nada nervosa pra minha segunda corrida de 10km, fui montar o meu playlist. E não basta ser música, tem que me fazer bem, seja pela letra, pelo ritmo ou pelas lembranças, daquelas que me fazem correr sorrindo sem ninguém entender.

Fire (pra começar num ritmo bem light, e aguentar firme até o final)
...you say you don't like it
but I know that you're a liar...

Viajando na viagem (pra cantar bem alto)
...vivo preparando
uma viagem pra desaparecer...

Benny and the Jets (pra cantar um pouco mais alto e seguir respirando)
...we shall survive,
let us take ourselves along...

Karla with a K (essa gaita de boca me faz correr de olhos fechados)
...there's no reason to cry,
for days gone by...

I'm yours (pra começar a correr sorrindo)
...there's no need to complicate
our time is short...

Todo se transforma (só ele pra me fazer esquecer que faltam 6 km)
...cada uno da lo que recibe
Y luego recibe lo que da...

Sea (pra cruzar os 5 km sorrindo, cantando, sonhando)
...ya estoy en la mitad de esta carretera
tantas encrucijadas quedan detras...

Opportunity (hora de começar a correr de verdade)
...don't go kidd yourself well not today
satisfaction's not to far away...

Calor da Hora (acelerando)
...olha só, o infinito é tão legal
o que será que vem, depois, depois?...

Não sei (dá pra gritar nessa parte?)
...mandei tudo pro espaço,
agora eu só quero paz...

I've got you babe (nada a ver com nada, mas amo UB40)
...they say we're young and we don't know
won't find out till we grow...

All star (veio na hora errada, mas as laranjeiras seguem me arrepiando)
...e continuar aquela conversa
que não terminamos ontem ficou pra hoje...

Satisfaction (faltam 2km, hora de ir com tudo)
...push me, and then just touch me
till I can't get my satisfaction...

Everlasting love (contagem regressiva, 500, 400, 300... posso ouvir de novo Sea?)
...don't you forget
welcome love we once knew...

Devo ter cantado demais e me desconcentrei, porque acabei deixando a desejar no meu tempo. Paciência. Pelo menos cruzei a linha de chegada bem do jeito que eu queria: correndo e sorrindo.

sábado, 14 de março de 2009

Pra começar os 32

Tudo que dá pra sentir
Quase que dá pra pensar
Tudo que dá pra pensar
Quase que dá para ouvir
Tudo que dá para ouvir
Quase que dá para ver
Tudo que dá para ver
Quase que dá pra pegar
Tudo que dá pra pegar
Quase que dá para ter
Tudo que dá para ter
Quase que dá para dar
E quase tudo dá


(Arnaldo Antunes)

sexta-feira, 13 de março de 2009

Kelen GT 3.2

Modelo 2009. Completa somente com itens de fábrica.
Novo design com muito mais potência no motor.

terça-feira, 10 de março de 2009

domingo, 8 de março de 2009

sábado, 7 de março de 2009

Delícia

"As inúmeras oportunidades que foram deixadas para trás, ao longo do caminho, reaparecem com força total. O problema, a partir de agora, não será a falta do que fazer, mas o que fazer, dentre tantas oportunidades disponíveis."

Adoro astrologia.

sexta-feira, 6 de março de 2009

O grito

Não sei o que está acontecendo comigo, diz a paciente para o psiquiatra.
Ela sabe.
Não sei se gosto mesmo da minha namorada, diz um amigo para outro.
Ele sabe.
Não sei se quero continuar com a vida que tenho, pensamos em silêncio.
Sabemos, sim.
Sabemos tudo o que sentimos porque algo dentro de nós grita. Tentamos abafar este grito com conversas tolas, elocubrações, esoterismo, leituras dinâmicas, namoros virtuais, mas não importa o método que iremos utilizar para procurar uma verdade que se encaixe nos nossos planos: será infrutífero. A verdade já está dentro, a verdade se impõe, fala mais alto que nós, ela grita.
Sabemos se amamos ou não alguém, mesmo que esteja escrito que é um amor que não serve, que nos rejeita, um amor que não vai resultar em nada. Costumamos desviar este amor para outro amor, um amor aceitável, fácil, sereno. Podemos dar todas as provas ao mundo de que não amamos uma pessoa e amamos outra, mas sabemos, lá dentro, quem é que está no controle.
A verdade grita. Provoca febres, salta aos olhos, desenvolve úlceras. Nosso corpo é a casa da verdade, lá de dentro vêm todas as informações que passarão por uma triagem particular: algumas verdades a gente deixa sair, outras a gente aprisiona. Mas a verdade é só uma: ninguém tem dúvida sobre si mesmo.
Podemos passar anos nos dedicando a um emprego sabendo que ele não nos trará recompensa emocional. Podemos conviver com uma pessoa mesmo sabendo que ela não merece confiança. Fazemos essas escolhas por serem as mais sensatas ou práticas, mas nem sempre elas estão de acordo com os gritos de dentro, aquelas vozes que dizem: vá por este caminho, se preferir, mas você nasceu para o caminho oposto. Até mesmo a felicidade, tão propagada, pode ser uma opção contrária ao que intimamente desejamos. Você cumpre o ritual todinho, faz tudo como o esperado, e é feliz, puxa, como é feliz. E o grito lá dentro: mas você não queria ser feliz, queria viver!
Eu não sei se teria coragem de jogar tudo para o alto.
Sabe.
Eu não sei por que sou assim.
Sabe.


Martha Medeiros

Inferno astral tecnológico

Aquecedor de água estragado.
Câmera fotográfica travada.
Telefone celular pifado.
Internet falhada.


Não tem aquele ditado que diz "azar na tecnologia, sorte no amor"???

quinta-feira, 5 de março de 2009

Caminhando e cantando

Eu não tenho mais idade pra dormir em um beliche; nem pra ter uma noite não dormida; muito menos pra andar por aí na chuva cantarolando. Mas quando eu tinha idade pra isso, com certeza eu não sabia o poder de uma escolha, o valor de uma noite e a felicidade de... poder andar por aí na chuva cantarolando.

terça-feira, 3 de março de 2009

Just do it

É triste! Quer saber? Eu sou um pouco rabugenta. E um pouco ranzinza. E talvez um pouco chata. E as vezes um tanto azeda. Tá bom, definitivamente mau humorada. Não é 100% do tempo mas (infelizmente) é a minha marca registrada. A Kelen é assim e pronto e segundo meus queridos colegas de escritório, vario de limão a abacaxi!
Aí eu respiro fundo. Peço pela tal da dose daquilo que as pessoas usam para sorrirem mais. E ganho, até porque a grande responsável por essa tal dose sou eu mesma e eu decido que quero. E de uma hora pra outra (que na verdade não tem nada de uma hora pra outra!) eu sou assim, uma pessoa que sorri e que ri e se possível dá gargalhadas. E fico alegre. E divertida. E talvez um pouco exagerada. E as vezes um tanto saliente. Tá bom, definitivamente de bem com a vida. Não é 100% do tempo, mas (infelizmente) a mudança é tão drástica que todo mundo se assusta. Eu fiquei assim e pronto, explico pros meus queridos colegas de escritório, e que não reclamem se eu decidi deixar de ser um limão e virar uma framboesa! Quer saber? É engraçado!