terça-feira, 28 de dezembro de 2010

¿Yo?

Uma senhora Colombiana senta ao meu lado na lotação e eu me puxo no espanhol para conseguir dar informações. Ao terminar, ela pergunta:
- ¿Argentina?
Anotação para o ano novo: melhorar essa minha cara de antipática.

sábado, 25 de dezembro de 2010

Un pais con el nombre de un rio

Malas prontas para uma semana no Uruguai, o pequeno grande país que faz parte da minha vida desde a infância, quando as férias de verão e a Semana Santa eram passadas em Livramento e Rivera. Eu me vou e fica ele, cantando pra vocês. ¡Feliz Año Nuevo!



quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Enhorabuena!

Entrei num site que se chama "Dicas e Roteiros de Viagens".
Nas dicas sobre Montevideo, cheguei no item "onde ficamos", onde tinha a seguinte informação:

"Não me lembro. Não tirei fotos. Só sei que era simples, barato e perto da Ciudad Vieja".


Muy grata por sus informaciones, chica. Buenisimo blog!

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Less is more

Desejo menos para 2011.

Menos interpretações.
Menos inquietações.
Menos frustrações.
Menos decepções.
Menos desencontros.
Menos mágoas.
Menos ciúmes.
Menos inveja.
Menos vazio.
Menos erros.
Menos culpa.
Menos fios.
Menos nós.
Menos não.
Menos...

Por favor, bem menos.

domingo, 19 de dezembro de 2010

Chuva

Eu não gosto de chuva. Mas adoro barulho de chuva, cheiro de chuva, banho de chuva. Um não gostar meio estranho esse...

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Espirito natalino

E de repente o espírito natalino toma conta de um jeito que e eu não consigo parar de comprar presentes. Pra mim.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Uma Bombonera lotada de sentimentos

Era junho de 2007. Estava sozinha em casa. Não assistia mais a TV, os foguetes e gritos na rua me contavam o placar. Grêmio e Boca disputavam a final da Libertadores e assim como em Buenos Aires, os gaúchos perdiam o jogo dentro do Olímpico, o título era dos argentinos. Meu namorado na época, gremista, estava no estádio. Fui dormir cedo pra esconder um sorriso irônico que seria incontrolável quando ele chegasse em casa. Já estava deitada quando ele entrou no quarto, fardado da cabeça aos pés. Acendeu a luz e com o olhar mais triste que lembro de ter visto naquele rosto falou:

 - Bu, perdemos.

Aquele olhar derrubou qualquer ironia da qual eu seria capaz e mudou muito a minha maneira de encarar o futebol e essa rivalidade. Não saiu uma flauta sequer da minha boca, só um abraço naquela camisa que eu tanto detestava e a frase:

- É só futebol.

Não vou ser cretina. Nunca vou torcer pelo Grêmio. Já beijei o chão da Bombonera as custas da derrota deles. Já briguei por futebol inúmeras vezes antes disso com este mesmo namorado. E com outros. E com amigos. E até com desconhecidos. Mas aprendi a rir mais baixinho, pra poder sofrer quieta depois. Já comprei muita briga, hoje eu pago pra não entrar nela.
E ainda assim, sem debochar de ninguém nos últimos anos, deixando pra comemorar somente as vitórias do meu time, ontem tive que fechar inúmeras janelinhas no MSN, ignorar emails, ler a chuva de piadas prontas sobre a derrota e não responder a nenhuma. Nada mudaria o resultado nem a minha tristeza. Sofri em silêncio, xinguei em silêncio e me perguntei também em silêncio porque raios eu fui gostar tanto de futebol e ser apaixonada assim por um time. E enquanto meus olhos se enchiam de lágrimas, eu repetia inúmeras vezes: é só futebol.

domingo, 12 de dezembro de 2010

Try to solve the puzzles in your own sweet time

E a vida é um quebra-cabeça.
Onde eu resolvo rapidamente as partes mais fáceis e travo nas partes complicadas. Volta e meia perco uma peça importante, mas em seguida vibro por encontrar aquela outra que parecia estar escondida em algum lugar. Em certos momentos o método é o da tentativa e erro: olho, analiso, o encaixe parece perfeito e só depois de testar de todas as formas acabo descobrindo que não era a peça certa para aquele lugar.
A vantagem da vida é que ela é um tipo de quebra-cabeça muito exclusivo, onde as peças perdidas contribuem na forma final. Final? Não, essa é outra vantagem: nesse quebra-cabeças não existem as bordas retas. Sempre existe lugar para uma nova peça ser encaixada.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

domingo, 5 de dezembro de 2010

Laranjeiras

Eu não sei o que essa música do Nando Reis faz comigo. Não tenho nenhum dono de All Star azul no meu currículo, muito menos alguma linda história de amor nas Laranjeiras no Rio. Mas sei lá. Acho que a simplicidade deste "estar se apaixonando" me encanta. E me arrepia a espinha. E me dá um frio na barriga. E me dá vontade de um "estar se apaixonando" desses pra mim, com ou sem um All Star azul. Hoje na Redenção não foi diferente. Mesmo lá longe do palco, no meio de amigos, bêbados e um verdadeiro zoológico, eu senti tudo isso de novo.

"... estranho mas já me sinto como um velho amigo seu..."







quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Genética

Percebo o quanto a genética funciona cada vez que penso em guardar um pote vazio que pode ser útil para alguma coisa algum dia.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Manual

Eu definitivamente não sou mais a mesma: li TODO manual da impressora antes de instalar. Foi o primeiro manual da minha vida. Provavelmente seja também a primeira coisa que instalo direito.