sábado, 30 de agosto de 2014

Placa identificadora

Dada a variabilidade genética entre os humanos, poderíamos vir com placas identificadoras como aquelas encontradas em parques, sobre a fauna local.
"Kelen, também conhecida como Kelis, Kelly ou Kerlen, da família Tomazelli, originária da Itália. Mamífera e carnívora, bem adaptada a climas quentes, possui hábitos diurnos. De natureza arisca, pode ficar agressiva quando ameaçada, com fome ou com sono."
Seria um bem para preservacão dos relacionamentos entre os diferentes sexos da espécie.

sábado, 23 de agosto de 2014

Amém!

- Eu sou o chefe de cabine e junto dos comissários Pedro, João e José estou a disposição para atendê-los.
Com este time bíblico na tripulação, tive certeza de que Jesus estaria conosco e que faríamos uma ótima viagem!

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Café da manhã

Pânico de garçons que ficam de olho na tua mesa. Tu levanta para buscar uma fruta, eles te levam o último gole de suco. Levanta para buscar outro suco, eles te levam a última mordida do sanduíche. Dei o penúltimo gole no meu café e fiquei segurando a alça desconfiada, certa de que tinham uns três pares de olhos me cuidando prontos pra arrancar a xícara de mim!

Sitting, waiting, wishing

Jogada no banco de trás do táxi a caminho do aeroporto ao som de um sertanejo furioso, com o taxista já sabendo que meu nome é Kelen, sim, igual ao nome merda do porta dos fundos, e eu já sabendo o nome da filha, da ex-mulher e das "vagabundas" que acabaram com o casamento dele, ele resolve me perguntar:
- Cê gosta de sertanejo?
- Claro. Especialmente em fim de festa de casamento: na hora de ir embora!
- Ai, e de que cê gosta então?
- De música de mulherzinha.
Automaticamente a play list mudou para o último cd do Jack Johnson.
- Tá gostando, né?
- Claro. E entendendo quem foi que acabou com o teu casamento também!

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Rent a car

- Senhora Kelen, aqui é da Localiza locadora de veículos. A senhora tem um carro a sua disposição, a senhora sabe quando vai começar a utiliza-lo?
- Sim, na segunda-feira.
- A senhora é maior de 21 anos?
- Sim, bem maior.
- A senhora tem então a sua disposição a partir de segunda-feira, um Renault Sandero 1.6, quatro portas, com ar condicionado, air bag, completo. A senhora tem mais alguma dúvida?
- Sim, posso não pegar nunca mais meu carro original de volta?

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Uma chance

Com o tempo vamos aprendendo que devemos ser mais tolerantes e podemos deixar tantas críticas de lado; temos que nos abrir para coisas novas, mesmo que antes nos parecesse impossível que elas fizessem parte das nossas vidas.

Neste exato momento por exemplo, estou dando uma chance para o coentro.

domingo, 10 de agosto de 2014

Dia dos pais a distância

Hoje de manhã estava na estrada a caminho de Gramado pra passar o dia dos pais, quando uma caminhonete não parou a tempo e carimbou a traseira do meu carro bem antes do meu destino final. Assim que o susto passou, entrei em São Leopoldo e parei novamente o carro pra respirar um pouco e fazer uma ligação pra um dos únicos números que eu não preciso procurar na agenda do telefone. E não só porque é dia dos pais. Mas porque ele é a primeira pessoa pra quem eu ligaria em qualquer situação. O dono do número que eu anoto no cartão de embarque em caso de emergência. Ou na folhinha do hospital pra ser aquele a quem avisar que está tudo bem depois de um procedimento qualquer. Pra quem eu ligo em caso de doença, ou de dúvida (e há um tempo atrás também de dívida!). Porque ele é simplesmente meu pai, essa palavra que dispensa qualquer maior explicação. Hoje o abraço vai ser virtual no dono da voz que cuida e acalma diariamente tantas crianças. Imagina se não acalmaria, mesmo a distância, o choro de filha.

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Mira

Em casa os homens não baixam a tampa do vaso.
Em bares eles sequer levantam.
Em comum nas duas alternativas?
Erram o alvo sempre.

domingo, 3 de agosto de 2014

Quer que eu capino?

Sempre tive medo de ser assaltada. Não só pelo "conjunto da obra" mas especialmente por medo da minha reação, naturalmente faca na bota. Então hoje saindo do escritório, já escuro, abri a porta e dei de cara com um homem parado na grade aberta, com um saco e um pedaço de pau na mão. Congelada da cabeça aos pés, com o coração na ponta da língua e as pernas viradas em gelatina, ouvi ele me dizer apontando pro canteiro na minha frente:

- Quer que eu capino isso aí pra tu amanhã? 
- Não meu amor, obrigada, isso não é meu!

Ele se afastou enquanto eu seguia na mesma posição mas agora pensando: meu amor? Não tenho mais medo de assalto. Descobri que o fator pânico me deixa paralisada. E muito carinhosa.

sexta-feira, 1 de agosto de 2014