quarta-feira, 22 de abril de 2020

É pavê?

São vários os costumes que vão ficar depois dessa quarentena. Alguns, inclusive, que já deveriam ser comuns antes dela. Limpar embalagens, higienizar as patas das cachorras na volta do passeio, lavar as mãos com mais frequência, dar prioridade pros pequenos comércios e restaurantes do bairro, consumir menos, doar mais, estimular uma rotina agradável pros filhos, focar nas relações verdadeiras e saudáveis. Mas de tudo, o que não quero que nunca mais mude é a cozinha de gente grande que nasceu aqui em casa. Aquela que tem um bolo delícia pro lanche, até porque sempre tem farinha, açúcar, ovos e fermento a disposição, salada fresquinha e lavada na geladeira, comida pra semana toda pensada, janta pros filhos, temperos de todos os tipos, petiscos na despensa, chocolate na latinha, café em pó, em cápsula, a granel e claro, uma boa bebida pro fim do dia. Talvez a casa de vocês já fosse assim, a minha não era. Comer na rua quase todo dia e ter filhos em turno quase integral na escola dá nisso. Não a toa me transformei naquilo que meu marido chama de "cozinheira de celular". E não é por viver procurando receitas, é por ser a rainha do Ifood mesmo. Pois resgatei meu gosto por cozinhar. Tô levemente destreinada. Já fiz molho branco ralo, já deixei bolo transbordar da fôrma, já queimei batata chips no forno. Mas também já fiz muito feijão, molho de tomate, panquecas e suflês maravilhosos. Ontem me superei. Fiz uma sobremesa pra ter na geladeira pros próximos almoços! E o resumo da quarentena é esse: me tornei a pessoa que tem prazer em fazer um pavê!
(meu marido deve ter controlado a vontade hereditária de largar a piadinha infame do "é pavê ou pacomê", mas né, conhece a mulher que tem!)

terça-feira, 21 de abril de 2020

Personagens

Lucas alterna constantemente a incorporação de personagens aqui em casa e a gente vai acompanhando ele na brincadeira, até dizemos que vamos sair desse período com crise de identidade. Se o momento é Backardigans, ele é o Pablo, eu sou a Uniqua, papai é o Tyrone e a mana é a Tasha. Quando a Patrulha entra em ação ele é o Ryder, eu sou a Skye o papai é o Chase e a mana é a gatinha Cali. PJmasks? Ele é o Menino Gato, eu sou a Corujita e a mana e o papai são os vilões Romeu e Garota Lunar. Pois recentemente, numa fase Casa do Mickey, vieram os melhores personagens:
- Mamãe, eu sou o Mickey e você é a Minnie, tá?
- Tá certo! E o papai, meu amor?
- O papai é o Pateta!
(depois a gente resolve o complexo de Edipo, agora a gente só da aquela risadinha da cara do pai)

sábado, 18 de abril de 2020

Divisão de tarefas

Desde o dia em que a Melissa nasceu, temos um trato aqui em casa: se o Lucas acorda a noite, o Guilherme atende; se a a Mel acorda quem atende sou eu. Mas é claro que eu acordo com o Lucas, com a Melissa, com a Pulga, com a Panqueca e com o mosquito que passa lá na esquina. Guilherme dorme que nem uma pedra e se acordar volta a dormir como se nem tivesse aberto os olhos. Pois essa noite a Mel pediu pra mamar duas vezes e lá estava eu segundos depois de ouvir ela chamar. Lá pelas sete e meia o Lucas entrou no nosso quarto e foi direto no pai dele, até ele sabe a regra. Eu escutei, mas fiquei ali, só me fingindo de morta.
- Papai.
- Oi Lucas.
- Ô papai.
- Não quer dormir mais um pouquinho? Vem aqui.
(maldito, não é essa a combinação!)
- Não quero papai.
(sigo me fingindo de morta mas já querendo matar o marido que já deveria estar de pé saltitante e sorridente brincando com ele lá na sala e me deixando dormir)
- Só mais um pouquinho, não quer mesmo?
(sério, pensa em raiva...)
- Papai, eu só acordei pra te acordar e você não tá acordando!
(fiquei com tanta pena da criança que saltei da cama bufando, mas amanhã eu não levanto pra nada, nem que acabe a quarentena!)

terça-feira, 14 de abril de 2020

O bichinho Voador

Eu adoro brincar na rua
No parque, na piscina e na pracinha
Visitar meus amigos e primos
E, é claro, ir na minha escolinha.
Um dia minha mãe me disse
Que teríamos que ficar em casa
Um bichinho está solto nas ruas
E viaja por tudo, mesmo sem ter asas.
O tal bichinho se chama Coronavírus
E ele pode estar em qualquer lugar
Ela me pediu pra lavar bem as mãos
E cuidar ao tossir e espirrar.
Papai me contou que o vírus é danado
E gosta de pegar vovós e vovôs
Por isso estamos cuidando deles de um jeito diferente
Sem visita, sem abraços, só podemos dar um alô!
Agora que não posso ir lá fora
Nossa casa virou pura diversão
Brincamos, cantamos e pulamos
Fazemos bolo, vemos desenho e acreditem, também faço lição!
Nem sempre é fácil passar por tudo isso
Às vezes eu grito, esperneio, choro
Amo estar com a minha família
Mas o mundo não era bem maior que o lugar onde eu moro?
Tenho saudade de muita gente
Que tenho visto só no celular
Mas eu sei que daqui a pouquinho
Tudo isso vai passar.
Quero correr pelas calçadas
Ver meus amigos dando gargalhadas!
Tomar sorvete, ir na escola
Ir no parque e jogar bola.
Deitar na grama, fechar os olhos e sorrir
Agradecer por estar aqui.
Ah... quando esse dia chegar!
Vou abraçar todo mundo com muito amor!
Estou esperando ansioso
Até lá, se cuidem todos, por favor!
(de Kelen para Lucas, abril 2020)


sexta-feira, 10 de abril de 2020

Coelhinho da Páscoa que trazes pra mim

Terminamos nosso almoço de Páscoa, aviso as crianças:
- Nós já vamos dormir, só deixa a mamãe terminar o trio de delícias aqui: vinho, chocolate e café.
Lucas rapidamente responde:
- Mamãe, já comi meu chocolate, agora quero o vinho então.
Pobre criança entediada. Quase dei!